Pesquisadores

Adalton Marques

Doutorando em Antropologia Social pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), realizou sua pesquisa de mestrado em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (USP) e sua graduação em Sociologia e Política pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Também é pesquisador do Hybris – Grupo de Estudo e Pesquisa em Relações de Poder, Conflitos e Socialidades (USP/UFSCar) e do Núcleo de Antropologia da Política (NuAP). Pesquisa prisioneiros, “comandos” prisionais, sistema penitenciário, periferia da Grande São Paulo.

 

E-mail: adalton.marques@gmail.com

 

Currículo Lattes

http://lattes.cnpq.br/4640452160891026

 

Principais publicações

MARQUES, Adalton. Crime e proceder: um experimento antropológico. São Paulo: Alameda, 2014 (no prelo).

 

MARQUES, Adalton. Liderança , proceder e igualdade: uma etnografia das relações políticas no Primeiro Comando da Capital. Etnográfica (Lisboa), v. 14, p. 311-335, 2010.

link: http://www.scielo.oces.mctes.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-65612010000200005&lng=pt&nrm=iso

 

BIONDI, K.; MARQUES, Adalton. Memória e historicidade em dois “comandos” prisionais. Lua Nova, v. 79, p. 39-70, 2010.

link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452010000100004&lng=en&nrm=iso

 

MARQUES, Adalton. “Faxina” e “pilotagem”: dispositivos (de guerra) políticos no seio da administração prisional. Lugar Comum (UFRJ), v. 25-26, p. 283-290, 2008.

link: http://uninomade.net/lugarcomum/25-26/

 

Ana Carneiro Cerqueira

Graduada em Comunicação Social pela ECO-UFRJ, com mestrado e doutorado em Antropologia Social pelo PPGAS-MN/UFRJ, onde realiza atualmente o pós-doutorado com o projeto “Memória, cultura e política: novas articulações conceituais no cerrado mineiro” (Bolsa FAPERJ). Além da atividade de pesquisa e docência, publicou artigos em livros e periódicos científicos; é autora de O povo parente dos Buracos: sistema de prosa e mexida de cozinha (E-Papers, no prelo) e  coautora de Retrato da Repressão no Campo (MDA, 2010). Já atuou como jornalista em mídia impressa e canais de televisão e realiza vídeos independentes de cunho etnográfico, entre eles “Casa à espera” (2014). Recentemente, organizou o Dossiê de Antropologia e Literatura da Revista da UFC e coorganizou o livro Giros etnográficos em Minas Gerais. Seus principais temas de pesquisa são: Linguagem; Parentesco; Prosa e comida; Memória; Movimento; Sertão mineiro.

 

E-mail: anacarcer@gmail.com

 

Currículo Lattes

http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4761490D6

 

Principais publicações

CARNEIRO, Ana . Os rumos da prosa: parentes chegados, primos cunhados. Revista de Ciências Sociais (UFC), v. 44, p. 196, 2013.

http://www.rcs.ufc.br/edicoes/v44n2/

 

CARNEIRO, Ana . As duas ou mais mortes de Eloy Ferreira da Silva: narrativas de um crime político. Ruris (Campinas), v. 5, p. 49-81, 2011.

http://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ruris/issue/view/71

 

CARNEIRO, Ana . Quem roubou a ‘cultura’?: precisões conceituais e identificações não-identitárias de um ‘povo do samba’. Revista de Antropologia (USP. Impresso), v. 52, p. 677-704, 2010.

http://www.revistas.usp.br/ra/article/view/27322

 

CARNEIRO, Ana . Uma antropologia nativa da família verde e rosa ou Por que ver rizoma onde nos mostram uma mangueira frondosa. Cadernos de Campo (USP. 1991), v. 20, p. 5-20, 2011.

http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/issue/view/3049

Ana Claudia Duarte Rocha Marques

Possui graduação em Antropologia pela Universidade Nova de Lisboa (1992), mestrado em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (1995) e doutorado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2001). Atualmente é professor doutor da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Antropologia rural e da política, com ênfase em Relações familiares, políticas e pessoais no Sertão do Nordeste, com especial atenção a conflitos como as lutas de famílias e o cangaço; aspectos sociais em torno do agronegócio de grãos no Mato Grosso, com especial enfoque sobre as relações de família entre agricultores e seus desdobramentos políticos e econômicos. Coordenadora do Hybris, grupo de estudo e pesquisa sobre relações de poder, conlfitos, socialidades.

 

Currículo Lattes

http://lattes.cnpq.br/3752790499157008

 

MARQUES, A. C. D. R. . Founders, ancestors, and enemies. Memory, family, time, and space in the Pernambuco sertão.. Journal of the Royal Anthropological Institute, v. 19, p. 716-733, 2013.

 

MARQUES, A. C. D. R. . Conflitos, Politica e Relações Pessoais. 1. ed. Fortaleza/Campinas: Universidade Federal do Ceará/Funcap/CNPq-Pronex / Pontes Editores, 2007. v. 1. 200p

 

VILLELA, J. M. ; MARQUES, A. C. D. R. . Municipal Elections: favour, vote and credit in the pernambucan Sertão of Brazil. South Eastern Latin Americanist, v. 49, p. 25-63, 2006.

 

MARQUES, A. C. D. R. . Intrigas e Questões. Vingança de Família e Tramas Sociais no Sertão de Pernambuco. 1. ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002. v. 1. 350p .

 

MARQUES, A. C. D. R. . Algumas Faces de Outros Eus. Mana (UFRJ. Impresso), Rio de Janeiro, v. 5, n.1, p. 131-147, 1999.

 

 

André Dumans Guedes

Bacharel em Ciências Econômicas pela UFMG, Mestre em Planejamento Urbano e Regional pelo IPPUR/UFRJ e Doutor em Antropologia Social pelo Museu Nacional/PPGAS/UFRJ. Atualmente é bolsista de pós-doutorado Faperj no IPPUR/UFRJ. É o autor de O Trecho, As Mães e Os Papéis. Etnografia de Movimentos e Durações no Norte de Goiás, trabalho vencedor do Concurso Brasileiro ANPOCS – 2012, categoria melhor Tese de Doutorado em Ciências Sociais. Atua principalmente nas seguintes áreas: etnografias do sertão (trabalho, família, religião), mobilidades no Brasil Central, economia política de grandes projetos de investimento, garimpo e peonagem, relações entre lutas camponesas por terra e lutas das comunidades tradicionais por território.

 

E-mail: andredumans@gmail.com

 

Currículo Lattes

http://lattes.cnpq.br/6278747409995827

 

Principais publicações

GUEDES, André Dumans. Na estrada e na lama com Jorge, um brasileiro: trabalho e moradia nas fronteiras do desenvolvimento. Horizontes Antropológicos (UFRGS. Impresso), v. 19, p. 319-345, 2013.

http://www.scielo.br/pdf/ha/v19n39/v19n39a13.pdf

 

GUEDES, André Dumans. Abrir no Mundo, Rasgando o Trecho: Mobilidade Popular, Família e Grandes Projetos de Desenvolvimento. Cadernos de Campo (USP. 1991), v. 1, p. 137-152, 2012.

http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/viewFile/53916/57860

 

GUEDES, André Dumans. Patrões, Garimpeiros e Lideranças. Mediação e Política em um Movimento de Atingidos por Barragens. Revista IDEAS (Online), v. 6, p. 65-99, 2012.

 

GUEDES, André Dumans. Fever, Movement, Passion and Dead Cities in Northern Goiás. Virtual Brazilian Anthropology (Vibrant), Dossiê Etnografias da Economia, v. 11(1), junho 2014.. Vibrant (Florianópolis), 2014.

http://www.vibrant.org.br/issues/v11n1/andre-dumans-guedes-fevers-movements-passions-and-dead-cities-in-northern-goias

Antonádia Borges

Professora no departamento de antropologia da Universidade de Brasília. Foi professora e pesquisadora em universidades na Índia, Argentina, África do Sul e México. Dedica-se à pesquisa em teoria antropológica, com trabalho de campo no Brasil e África do Sul. Sua tese de doutorado Tempo de Brasília: etnografando lugares-eventos da política foi publicada na coleção NuAP (2004).

 

Currículo Lattes

http://lattes.cnpq.br/2699955351343721

Carmen Silvia Andriolli

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas. Possui graduação e mestrado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos. Atualmente é professora substituta do Departamento de Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade do Instituto de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e realiza estágio pós-doutoral no Núcleo de Antropologia da Política (Nuap) do PPGAS/MN/UFRJ. É pesquisadora colaboradora do Laboratório de Antropologia, Territórios e Ambientes (LATA) e co-editora do periódico RURIS, ambos vinculados ao Centro de Estudos Rurais (CERES) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Tem experiência nas áreas de Antropologia e Sociologia Rural, atuando principalmente nos seguintes temas: campesinato, terra, tempos, memória, sertão, sertanejos, pecuária tradicional, conflitos socioambientais

 

E-mail: carmen.andriolli@gmail.com

 

Currículo Lattes

http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4775042J6

 

Principais publicações

ANDRIOLLI, Carmen S., FRANCESCO, A. A., POSTIGO, A. A., CASTRO, R. R. Ações, discursos e conflitos no território: o caso dos caiçaras da Jureia. Olam: Ciência & Tecnologia (Rio Claro. Online). , v.1, p.269 – 297, 2014.

http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/olam/login?source=%2Findex.php%2Folam%2Fuser%2FauthorizationDenied%3Fmessage%3Duser.authorization.restrictedSiteAccess

 

ANDRIOLLI, Carmen S. Do caminhar ao deslizar do lápis: o mapeamento da memória de colonos e colonas de uma antiga fazenda cafeeira. Teoria & Pesquisa. , v.49, p.191 – 211, 2007.

http://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/issue/view/60/showToc

 

ANDRIOLLI, Carmen S., SILVA, Maria Aparecida de Moraes

De fazenda de café à área de preservação. A dissolução do colonato na Fazenda Jatahy/SP In: Processo de Constituição e Reprodução do Campesinato no Brasil.  Coleção História Social do Campesinato Brasileiro ed.São Paulo, Brasilia/DF : Ed. Unesp, Nead, 2008, v.1, p. 185-204.

http://wp.ufpel.edu.br/leaa/files/2014/06/Texto-3-p.-39-67.pdf

 

ANDRIOLLI, Carmen S. De Gerais a Sertão. Sobre casa, comida, terra e criação. In: COMERFORD, John. CARNEIRO, Ana. DAINESE, Graziele (orgs.). Giros etnográficos em Minas Gerais: conflito, casa, comida, prosa, festa, política e o diabo. Rio de Janeiro: Editora Sete Letras (prelo)

 

ANDRIOLLI, Carmen S.. Sob as vestes de Sertão Veredas, o Gerais. A resistência cotidiana no Sertão do IBAMA. Mana (Rio de Janeiro. Online) (no prelo).

Clarissa Martins Lima

Doutoranda em Antropologia Social no PPGAS/UFSCar com o projeto “Os meus, os nossos e o dos outros: uma etnografia sobre os mortos na Vila de Cimbres (T.I. Xukuru do Ororubá)” (Projeto Fapesp). Possui graduação em Ciências Sociais na UFSCar e mestrado em Antropologia Social pelo PPGAS/UFSCar.

 

Currículo Lattes

http://lattes.cnpq.br/8109498755414467

Daniela Carolina Perutti

Graduada em Ciências Sociais, mestre (2005-2007) e doutoranda em antropologia social pela Universidade de São Paulo (desde 2011). Pesquisa em seu doutorado configurações políticas, familiares e territoriais em um coletivo quilombola do nordeste goiano. É autora do livro Almeida Júnior, gestos feitos de tinta (São Paulo: Alameda, 2011) e sócia-colaboradora da Comissão Pró-Índio de São Paulo.

 

E-Mail:

danielacp@usp.br

 

Currículo Lattes:

http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4737555E6

Dibe Ayoub

Doutoranda em Antropologia Social no Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Graduou-se em Ciências Sociais (2009) e fez seu Mestrado em Antropologia Social (2011) na Universidade Federal do Paraná (UFPR). Sua dissertação intitula-se “Madeira sem lei: jagunços, posseiros e madeireiros em um conflito fundiário no interior do Paraná”. Pesquisa atualmente conflito e violência entre grupos camponeses em áreas de faxinais no interior paranaense, tendo como foco agressões relacionadas a questões fundiárias e a conflitos interpessoais. Escreveu o capítulo “Os posseiros do Pinhão: conflitos e resistências frente à indústria madeireira”, na coletânea Memórias dos Povos do Campo no Paraná – Centro Sul (2013), e o artigo “A ausência da Guerra: histórias do Contestado através da fuga, do território e da religiosidade” (no prelo).

 

Currículo lattes:

http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4299918T0

 

Principais publicações:

AYOUB, Dibe Salua. Os posseiros do Pinhão: conflitos e resistências frente à indústria madeireira. In: Liliana Porto; Jefferson de Oliveira Salles, Sônia Maria dos Santos Marques. (Org.). Memórias dos Povos do Campo no Paraná – Centro Sul. 1ed.Curitiba: ITCG, 2013, v. 1, p. 151-172.

http://www.itcg.pr.gov.br/arquivos/File/versaoweb.pdf

 

AYOUB, Dibe Salua. A ausência da Guerra: histórias do Contestado através da fuga, do território e da religiosidade. Ruris (Campinas), 2014 (no prelo).

Graziele Dainese

Antropóloga, formada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), mestre em Antropologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e doutora em Antropologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente faz pós-doutorado nesta mesma instituição. Publicou trabalhos na área da antropologia da política, tratando de temas referentes aos movimentos sociais e estudos sobre a política vivida em comunidades rurais. Suas principais áreas de interesse de pesquisa seguem os estudos de antropologia da política, com ênfase principalmente sobre conflito, formas de participação e mobilização e modos de pertencimento. Mora na cidade do Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

 

E-mail: grazidainese@hotmail.com

 

Currículo Lattes

http://lattes.cnpq.br/9088855751179298

 

Principais publicações

DAINESE, Graziele. “Sem Terras”, “Urbanos” e “Camponeses”: histórias do campo, da cidade e de movimento social. In: Marta Cioccari; José Sergio Leite Lopes. (Org.). Narrativas da Desigualdade: memórias, trajetórias e conflitos. 1ed.Rio de Janeiro: MAUAD, 2013, v. , p. 00-.

 

DAINESE, Graziele. O “sujeito da reforma agrária” e a constituição de mediadores. In: Delma Pessanha Neves. (Org.). Desenvolvimento social e mediadores políticos. 1ed.Porto Alegre: UFRGS, 2008, v. , p. 129-153.

 

COMERFORD, John; CARNEIRO, Ana; DAINESE, Graziele. (orgs.). Giros etnográficos em Minas Gerais: briga, casa, comida, prosa, festa, política e o diabo. Rio de Janeiro: Editora Sete Letras (no prelo).

 

DAINESE, Graziele. 2014. Chegar à Terceira Margem: um caso de prosa, paixões e maldade. Em: COMERFORD, John. CARNEIRO, Ana. DAINESE, Graziele (orgs.). Giros etnográficos em Minas Gerais: conflito, casa, comida, prosa, festa, política e o diabo. Rio de Janeiro: Editora Sete Letras (no prelo. Data prevista para lançamento: segundo semestre de 2014).

 

DAINESE, Graziele. Chegar à Terceira Margem: um caso de prosa, paixões e maldade. Anuário Antropológico, Brasília, PPGAS/UnB, ISSN: 0102-4302 (no prelo).

João Vicente Marques Lagüéns

Doutor em Antropologia Social, no Museu Nacional (PPGAS-MN/UFRJ) com atenção voltada para antropologia da política. Graduado e mestre em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atua profissionalmente na formulação, implementação e avaliação de Políticas Públicas, especialmente em programas voltados para o fortalecimento da sociedade civil, tendo trabalhodo no Instituto Brasileiro de Administração Municipal entre 2005 e 2010. Experiência focada nos temas de inclusão produtiva, desenvolvimento local e em mecanismos de participação popular e controle social de políticas públicas. Destaque para políticas de Orçamento Participativo, tema da sua dissertação de mestrado.

 

Currículo Lattes

http://lattes.cnpq.br/9792254587741116

Jorge Luan Rodrigues Teixeira

É graduado em Ciências Sociais pela UFC (2011) e mestre em Antropologia Social pelo PPGAS/Museu Nacional/UFRJ (2014), onde cursa atualmente o Doutorado. Na dissertação de mestrado, estudou formas de mobilidade e relações de parentesco entre moradores de propriedades rurais no Sertão dos Inhamuns (CE). Inicia, nessa mesma região, pesquisa sobre os sentidos morais e as práticas de mobilidade associados ao pastoreio e à caça.

 

E-mail: jorge.luant@gmail.com

 

Currículo Lattes

http://lattes.cnpq.br/1651592159874106

 

Jorge Villela

Doutor em antropologia social pelo PPGAS/Museu Nacional/UFRJ; pós-doutor pela Universidade de Edimburgo. É autor de “Andarilhos e Cangaceiros” (Ed. Univali, 1999), “O Povo em Armas” (Relume Dumará, 2004), “Eleições e Política no Sertão de Pernambuco” (Pontes, 2008), “Ordem Pública e Segurança Individual”  (EdUFSCar, 2011).

Currículo Lattes:

http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=K4763044H0

Principais Publicações

VILLELA, Jorge. Pat Garret & Billy the Kid. Conservação e Risco. R@U 2014 (no prelo)

VILLELA, Jorge. Antropologia y Literatura como Problema. In: Maria Cándida Ferreira de Almeida; Diego Arévalo Viveros. (Org.). Escribir al Otro. Alteridad, literatura y antropología. 1ed.Bogotá: Ediciones Uniandes, 2013, v. 1, p. 23-27. 

VILLELA, Jorge.  Confiança, autonomia e dependência na política eleitoral no sertão de Pernambuco,. In: Carlos Alberto Steil e isabel de Moura Carvalho. (Org.). Cultura, Percepção e Ambiente. Diálogos com Tim Ingold. 1ed.São Paulo: Terceiro Nome, 2012, v. 1, p. 211-226.

VILLELA, Jorge. O Voto como forma de luta e mecanismo de inibição. R@U : Revista de Antropologia Social dos Alunos do PPGAS-UFSCAR, v. 3, p. 10-29, 2011.

VILLELA, Jorge. Moral da Política e Antropologia das Relações de Poder no Sertão de Pernambuco. Lua Nova (Impresso), v. 79, p. 163-199, 2010.

Karina Biondi

Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo, mestre e doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal de São Carlos. Pesquisadora do LEAP – Laboratório de Estudos sobre Agenciamentos Prisionais (um sub-agrupamento do HYBRIS – Grupo de Estudo e Pesquisa sobre Relações de Poder, Conflitos, Socialidades), dedica-se ao estudo sobre dinâmicas criminais. Autora de Junto e Misturado: uma etnografia do PCC.

 

E-mail: ka.biondi@gmail.com.br

 

Currículo Lattes

http://lattes.cnpq.br/9293354732484739

 

Principais publicações

 

BIONDI, Karina  and  MARQUES, Adalton. Memória e historicidade em dois “comandos” prisionais. Lua Nova [online]. 2010, n.79, pp. 39-70

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452010000100004

Leonardo Damasceno de Sá

Sociólogo e professor adjunto de Sociologia do Departamento de Ciências Sociais e do colegiado do Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS) da Universidade Federal do Ceará (UFC). Graduado em Ciências Sociais (1996),  com Mestrado em Sociologia (2000) e Doutorado em Sociologia (2010) no PPGS da UFC. Pesquisador do Laboratório de Estudos da Violência (LEV-UFC), onde trabalho há 20 anos, concentro, portanto, minhas áreas de atuação em Teoria social contemporânea, Trabalho de campo e etnografia, misturados com uma caixa de ferramentas para a pesquisa empírica, buscando transversalidades, interfaces e aproximações entre Sociologia e Antropologia da violência, da moral, das relações de poder e a literatura mais ampla sobre análise dos conflitos sociais. Sigo uma agenda temática de pesquisa coletiva com orientandos correndo lado a lado sobre formação policial militar, práticas e organizações policiais, abordagens policiais e policiamento nas ruas e nas favelas, socialidade armada, agência das armas, militarização da vida social e, mais atualmente, sobre as formas de luto, dor e sofrimento das mães dos jovens mortos por morte matada que eu estudei na minha tese sobre a guerra, o mundão e a consideração entre os jovens armados, envolvidos ou ex-envolvidos com o crime.

 

Currículo Lattes

http://lattes.cnpq.br/0430275226558223

Luzimar Paulo Pereira

Bolsista PNPD-CAPES no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutor em Ciências Humanas (Antropologia Cultural) pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Possui mestrado em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2004) e graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2000). Em 2011, publicou o livro Os Giros do Sagrado: um estudo etnográfico sobre folias em Urucuia/MG. Trabalha com ênfase em Antropologia dos Rituais, Antropologia do Campesinato, Antropologia dos Objetos e Antropologia do Espaço, privilegiando os seguintes temas: festa, arquitetura, reciprocidade e comunidades.

 

E-mail: mazinhop@gmail.com

 

Currículo Lattes

http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4763599P1

 

Principais publicações

PEREIRA, Luzimar Paulo. As vicissitudes da fama: os dons divinos e os pactos demoníacos entre os tocadores de viola de dez cordas do norte e noroeste mineiro. Revista de Antropologia (USP. Impresso), v. 55, p. 1047-1083, 2012.

http://www.revistas.usp.br/ra/article/viewFile/59308/62346

 

PEREIRA, Luzimar Paulo. Os sacrifícios da carne: a morte do gado e a produção dos banquetes nas folias de Urucuia MG. Religião & Sociedade (Impresso), v. 32, p. 71-96, 2012.

http://www.scielo.br/pdf/rs/v32n1/a04v32n1

 

PEREIRA, Luzimar Paulo. Promessa, consideração e trato nas festas de folia em Urucuia-MG. Antropolítica (UFF), v. 31, p. 97-122, 2011.

http://www.revistas.uff.br/index.php/antropolitica/article/view/33/pdf

 

PEREIRA, Luzimar Paulo. No giro: as folias como peregrinações rituais. Interseções (UERJ), v. 14, p. 25-45, 2012.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/intersecoes/article/download/5767/4187

 

PEREIRA, Luzimar Paulo . A festa dos outros: fundamento e sistemas nas folias de Urucuia, MG. In: Comerford, John C.; Cerqueira, Ana C. & Dainese, Graziele.. (Org.). Giros Etnográficos em Minas Gerais: casa, comida, prosa, festa, política, briga e o diabo. Rio de Janeiro: Editora 7Letras (no prelo).

 

PEREIRA, Luzimar Paulo . À mesa com os santos: a noção de farturanas Folias de Urucuia/MG. In: José Reginaldo Santos Gonçalves; Roberta Sampaio Guimarães; Nina Pinheiro Bitar. (Org.). A Alma das Coisas. 1ed.Rio de Janeiro: Mauad/Faperj, 2013, v. 1, p. 155-184.

 

PEREIRA, Luzimar Paulo. Fazendo cercas: notas etnográficas sobre os processos de criação de pequenos lotes em Urucuia, MG.. In: 29. Reunião Brasileira de Antropologia, 2014, Natal/RN. Anais da 29. Reunião Brasileira de Antropologia, 2014.

 

PEREIRA, Luzimar Paulo. O Movimento dos Bichos: animais de criação, produção dos espaços e formas de sociabilidade em Urucuia, MG. In: 37 Encontro Anual da ANPOCS, 2013, Águas de Lindóia-SP. Anais do 37º Encontro Anual da Anpocs, 2013.

http://portal.anpocs.org/portal/index.php?option=com_docman&task=doc_view&gid=8536&Itemid=429

Marta Regina Cioccari

Doutora em Antropologia Social pelo Museu Nacional-UFRJ (2010), com estágio doutoral na École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS). Entre dezembro de 2010 e agosto de 2014, atuou como docente-pesquisadora Prodoc CAPES no PPGAS/MN/UFRJ. Atualmente, é pesquisadora sênior da Comissão Nacional da Verdade (CNV). Seus interesses de pesquisa estão relacionados principalmente às classes trabalhadoras urbanas e rurais, abordando os temas da memória, biografias e trajetórias; honra e reputação; e repressão no regime militar.  Coautora (juntamente com Ana Carneiro) do livro Retrato da Repressão Política no Campo: camponeses torturados, mortos e desaparecidos (MDA, 2010, 2011), é organizadora da coleção “Camponeses e o Regime Militar” (MDA, 2012, 2013). Coorganizou, com José Sergio Leite Lopes, a coletânea Narrativas da desigualdade: memórias, trajetórias e conflitos (Mauad, 2013) e publicou ainda vários capítulos em livros e artigos em periódicos especializados.

 

Email: marta.cioccari@gmail.com

 

Currículo Lattes

http://lattes.cnpq.br/3259474597429806

 

Principais publicações

2011, Retrato da Repressão Política no Campo, Brasil 1962-1985, Camponeses torturados, mortos e desaparecidos. (Em coautoria com Ana Carneiro). 2ª edição revista e ampliada. Brasília: MDA, 2011

www.nead.org.br/portal/nead/publicações

 

CIOCCARI, Marta (org.). Coleção “Camponeses e o Regime Militar”. Vol. 1: CAMARANO, Marcia. João Sem Terra, veredas de uma luta. Brasília, MDA/SDH, 2012. 

http://www.nead.gov.br/portal/nead/publicações

 

CIOCCARI, Marta (org.).  Coleção “Camponeses e o Regime Militar”. Vol. 2. BARROS, Francisco Blaudes Sousa.. Japuara, um relato das entranhas do conflito. Brasília : MDA/SDH, 2013

http://www.nead.gov.br/portal/nead/publicações

 

CIOCCARI, Marta. Narrativas da repressão: trabalhadores do campo e das minas durante o regime militar no Brasil. Teoria e Cultura (UFJF), Juiz de Fora-MG, 2013, v.6, p.27-47.

http://www.editoraufjf.com.br/revista/index.php/TeoriaeCultura/article/view/2052

Martina Ahlert

Doutora em Antropologia Social pela Universidade de Brasília e é professora do Departamento de Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Maranhão. Realiza pesquisa etnográfica sobre religiões afro-brasileiras, política e programas sociais.

 

Currículo Lattes

http://lattes.cnpq.br/0255848252162200

Natacha Simei Leal

Doutoranda e mestre em Antropologia Social pelo PPGAS/USP, graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS). Em sua pesquisa atual, de doutorado, estuda um segmento da pecuária bovina brasileira: o “mercado de gado de elite”. Explora, sob uma perspectiva antropológica, aspectos e conceitos do âmbito do parentesco, das biotecnologias, da economia, das políticas de Estado relacionados a este ramo da bovinocultura, que tanto produz reses, quanto criadores de “elite”.

 

E-Mail:

natachaleal@gmail.com

 

Currículo Lattes:

http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4750421E4

 

Principais publicações:

LEAL, N. S.  “Touros de genética, touros de genealogia”: Controvérsias da pecuária brasileira. Periferia (Bellaterra), v. 16, p. 01-20, 2011.

Silvia Monroy

Pesquisadora colaboradora do departamento de antropologia da Universidade de Brasília. Foi professora e pesquisadora em universidades e centros de pesquisa na Colômbia. Possui graduação em Antropologia pela Universidad de Los Andes de Bogotá, mestrado e doutorado em Antropologia Social pela Universidade de Brasília, atuando principalmente nas áreas de teoria antropológica, antropologia jurídica, antropologia da modernidade e sociedades camponesas e antropografia da violência. Conta diversas experiências de pesquisa e trabalho de campo na Colômbia e no Brasil. Sua tese de doutorado intitulada “O presente permanente. Por uma antropografia da violência a partir do caso de Urabá, Colômbia” foi publicada em espanhol pela editora da Universidad del Rosario, em Bogotá (2013). 

 

Currículo Lattes

http://lattes.cnpq.br/5730030606344375

Silvina Smietniansky

Doutora em Antropologia (Universidad de Buenos Aires, 2012), Mestre em Antropologia Social (Universidad Nacional de General San Martín, 2009) e Licenciada em Ciências Antropológicas (Universidad de Buenos Aires, 2006). Atualmente desenvolve pesquisa de pós-doutorado como Pesquisadora Colaboradora no PPGAS do Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília. Suas áreas de interesse são: teoria antropológica, antropologia dos rituais, antropologia histórica e Hispano-América colonial. É autora de Ritual, tiempo y poder. Una aproximación antropológica a las instituciones del gobierno colonial (Gobernación del Tucumán, siglos XVII y XVIII) (Prohistoria, 2013).

 

Currículo Lattes

http://lattes.cnpq.br/2283250307365295

Yara de Cássia Alves

Graduada em Ciências Sociais pela PUC-MG. Mestranda em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo. Pesquisa configurações familiares nos movimentos dos habitantes de Pinheiro, localidade rural, autodenominada quilombola, situada no Vale do Jequitinhonha-MG.

 

E-Mail:

email:yara.c.alves@gmail.com

 

Currículo Lattes:

http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4401505H3

 

Principais Publicações:

ALVES, Y.C. . Na dinâmica migratória: as mulheres quilombolas de Pinheiro e as relações sociais estabelecidas. In: XXVIII Congresso Internacional da Associção Latino Americana de Sociologia, 2011, Recife. ALAS- XXVIII Encontro da Associação Latino Americana de Sociologia, 2011.

ALVES, Y.C.  . A construção da realidade social na comunidade quilombola Pinheiro: Um estudo sobre as ‘ viúvas de maridos vivos’. 2012. (Relatório de pesquisa)

ALVES, Y.C. As juventudes e seus modos de vida: Reflexões sobre as relações sociais dos participantes do Parlamento Jovem. In: Medeiros,R. Marques, M.E. (Orgs). Educação política da juventude: A experiência do Parlamento Jovem. Belo Horizonte: Editora Puc Minas, 2012.

ALVES, Y.C. A migração masculina e os modos de vida da comunidade quilombola Pinheiro: Notas sobre família e trabalho num contexto de idas e vindas. In: Destaques do