Coleção NuAP

Intrigas e Questões

Graças à combinação do trabalho de campo "à antiga" - seis meses corridos morando na área, de mala e cuia, e uma "revisita" de trinta dias - com o diálogo com o que há de simultaneamente mais ousado e mais consistente (não necessariamente o mais recente em termos cronológicos) na literatura antropológica, a que a autora acrescentou a sua própria dose de ousadia, as lutas de famílias e suas supostas projeções políticas recebem neste livro um tratamento que, certamente, irá surpreender muita gente. Retomando o caminho aberto por autores como Costa Pinto, Maria Isaura Pereira de Queiroz e Maria Sílvia de Carvalho Franco, que perceberam a importância de se olhar com cuidado para as articulações entre violência, política, família e formas outras de sociação, como meio de se perceber alguns dos modos de operar fundamentais da nossa sociedade, Ana Claudia Marques produz um trabalho profundamente inovador, com um controle raro de escrita, que transforma um texto de uma densidade científica enorme (dada pela exploração sistemática e conceitual dos detalhes dos seus materiais), em uma narrativa da melhor qualidade literária.

Moacir Palmeira