Coleção NuAP

A Ambientalização dos Conflitos Sociais

Como percebem as comunidades locais e grupos de cidadãos os riscos da poluição industrial e as questões acarretadas pelo seu controle? Tais percepções variam por tipo de indústria e por características sociais dos indivíduos e das comunidades? Até que ponto é efetivo o ativismo comunitário no controle da poluição industrial das empresas? Que papel é desempenhado por instituições intermediárias tais como ONGs, sindicatos, associações profissionais ou defensorias públicas, ao darem apoio e fazerem ecoar as preocupações dos cidadãos quanto à poluição? As respostas apresentadas no livro a esta e outras perguntas lidam com o crescimento da importância da esfera institucional do meio ambiente entre os anos 1970 e o final do século XX; os conflitos sociais ao nível local e seus efeitos de interiorização de novas práticas; a educação ambiental como novo código de conduta individual e coletiva; assim como a questão ambiental como nova fonte de legitimidade e de argumentação nos conflitos.
Os autores demonstram o importante papel que uma perspectiva antropológica e sociológica para o estudo das questões colocadas pelo controle da poluição industrial pode ter no fortalecimento da participação comunitária e da cidadania no planejamento urbano e ambiental.

Shelton Davis